Túlio Tavares

CAVEIRÃO

Uh Caveirão!

Apesar de todas as mazelas, o Caveirão não é contra o futebol, ele é contra a copa da Fifa.  Ele entende o quanto estes eventos são desnecessários. O Caveirãonão épolitizado, o Caveirão, apenas representa um renascimento, afinal, sendo um esqueleto  ele iguala todos os  heróis midiáticos do futebol e suas super documentadas mini proezas em campo. Caveirão representa um não as exigências impostas às cidades pela Fifa. Caveirão é contra o marketing desenfreado desses eventos que invadem nossos olhos.

Caveirão vem dos rituais que desenterram os seus mortos, porque ele é o calcário por onde brota o sangue, o esqueleto que dá forma, altura e largura para o corpo, sem o Caveirão seríamos inteiramente informes. Caveirãoé então,símbolo daquilo que resiste.

Caveirão é primitivo, ele mostra onde se joga, em suas saídas o Caveirão mostra sua ginga,é um craque!  OCaveirão é obra por se fazer, ele corre da polícia, ele sempre está em processo em suas quixotescas andanças,(quadrilogia desenfreada),exercícios práticosda representação de ideias.

Sendo assim, oCaveirão não é um decalque separado do contexto, ele é um devir na cidade, ele se relaciona com tudo e com todos. O Caveirão é metafórico, metonímico, poético, trágico, irônico, complexo e espontâneo ao mesmo tempo. Ele apareceu lá atrás,nos muros da cidade, nascido em uma Zona de Poesia Árida. Caveirão é símbolo, imagem e coisa, uma armadura que se projeta para o alto, quem achar que o Caveirão é engraçado ao mesmo tempo constata algo sublime, porque o Caveirão mimetiza o espaço ao seu redor, faz com que as pessoas saiam por alguns segundos de suas vidas comuns, deixem por um momento esse real ululante, afinal, o Caveirão invade nossa imaginação, inverte os eixos. Ele não tem um rosto pois ele não faz parte de nenhuma história.  Caveirão é intensidade artística que se dá através das obras e dos fazeres e não através da história, nada começa nem acaba para o Caveirão, seu espírito transpassa o tempo, como uma ninfa, ele se movimentaad eternum,sem identidade, pura sobrevivência,  o Caveirão representa a todos.

O futebol como evento: de onde vem a Copa Fifa

O modelo de desporto federado surgiu no processo de industrialização do séc. XIX. O desporto mimetiza o processo de trabalho, ou seja, no trabalho, principalmente o surgido a partir desse período,o humano está subjugado a dispender horas de sua vida para ter seu emprego, garantir uma maior e melhor produção na sua empresa. Atingir uma meta estipulada, competir e ganhar, este é o modelo das competições esportivas que surge da perspectiva mecanicista da revolução industrial. Nesse processo os clubes de futebol representam o lazer onde se reproduz a lógica da competição.  No lazer de milhões de expectadores de futebol, um único sentido, ou seja, uma hipotética vitória contra o outro time –na antiguidade são vários os relatos de jogos com a cabeça do inimigo. Torcedores dão a vida por seus times! Os times, que nasceram desse processo,são a oficialização do lazer industrial, imitam a fabrica e a sua ideia de competitividade e ganhos a qualquer custo, processo absolutamente neurótico.  Vale lembrar que ainda hoje encontramos escravos no mundo. Curiosamente vemos hoje em dia nos estádios do Brasil,ao mesmo tempo a barbárie e a exclusão de quem não pode pagar para ver. Este é o modelo Fifa, entidade suspeita,  que organiza eventos futebolísticos pelo mundo.                                                                                                                                

 

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: